domingo, 21 de setembro de 2008

.Vergonha dos pés

.Mas, por quê? Por que não ensinam às pessoas, desde bem pequenas, que elas são indivíduos preciosos? Que devem amar não por carência, acreditando desta forma a solidão de suas existências cessará. Mas amar com o coração em paz, com a idéia de que nem a pessoa mais íntima pode compartilhar a sua dor. A dor de não ser hermafrodita, de não ter com quem partilhas as suas entranhas.
O homem deve cultivar a si mesmo com amor e cuidado. Acreditar-se eterno. Ser para si próprio eterno, afinal é certo que você será aquele quem mais tempo lhe fará companhia. E deixar o amor livre desta obrigação. Deve o homem acreditar na durabilidade do amor, mas nunca forçá-lo a isso.

3 comentários:

tchubaruba disse...

as palavras aqui são tão confusas quanto as la de casa.
acho que isso é que da a beleza.
a confusao
respostas machucam...
a realidade é cruel

Eu gosto ué. disse...

Ahn?!

rodrigo disse...

"o amor é uma dor, é um tédio sem remédio, é como um prédio desabando"