segunda-feira, 20 de junho de 2011

. Isabel



Isabel era moça intensa, de coração movido a borboletas, de arrepios.
De grandes olhos castanhos e nuca a mostra.Fazia de sua vida uma grande festa de cores e sentidos. Tinha loucura pelo o sabor de pimenta, uma grande queda por vinho Bordeaux encorpado (era engraçado o jeito que sua boca e bochechas ficavam avermelhadas) e gostava dos estralhinhos que o maracujá trazia a boca. Gostava de ser despenteada pelo o vento ou por um bom cafuné, do barulho da colherzinha de chá ao ser batida na borda da xícara e de sentir perfumes de olhos fechados. Isabel era moça do mundo, uma hora aqui e outra alí. Ahhh mas seu coração tinha endereço certo, poderia até suspirar por alguns moços, mas só um era dono de suas borboletas. Toda vez que alguém perguntava de quem era seu coração, só uma pessoa lhe vinha a cabeça e era por essa pessoa que ela sorria todas as vezes que ouvia aquele sotaque bom. Era nesse moço que ela pensava toda vez que escuta The Girl.
Isabel já tinha a sua tampa.

Um comentário:

Carol Machado disse...

Nana! disse...
Como faz quando o coração não quer deixar ir?

É dificíl, muito dificíl no começo mas com o passar do tempo isso vai passando e as coisas vão melhorando, mas chorar e chorar também alivia a dor do coração.
mas apenas o tempo é capaz de esquecer um grande amor.